Buscar
  • Cellera

Branded Content multimídia: como produzir, pesquisar e usar fotos, áudios e vídeos



Frequentemente apontado pela revista Forbes como uma das pessoas mais ricas do mundo, o megainvestidor Warren Buffett ficou conhecido como "o oráculo de Omaha", sua cidade natal, pela habilidade de identificar empresas com bom potencial de crescimento e comprá-las para seu fundo de investimento, o Berkshire Hathaway. Aos 88 anos, ele não dá a menor pinta de que vai se aposentar. Mais do que isso: ele não se esconde do mundo, como poderia fazer alguém na sua posição, mas busca a exposição que marca as grandes personalidades dos tempos atuais, inclusive recorrendo às novas tecnologias.

Não é que ele saiba manusear as novas tecnologias. O que o vídeo acima - que viralizou - deixa claro é sua capacidade de explorar em proveito próprio as possibilidades que elas abrem. Seja a partir da edição de publicações próprias com conteúdo da marca da sua organização (Branded Content), seja com a participação em fotos, áudios e vídeos feitos por terceiros, nessa conversa interminável, por meio das redes sociais, em que se converteu a internet.

A importância que ele confere a essa exposição está na essência do conteúdo do vídeo. Que dica ele daria aos jovens que estão chegando agora ao mercado de trabalho? "Desenvolvam suas habilidades de comunicação".

Não há dúvidas de que o fundador da startup Voiceflow, Michael Hood, que fez a gravação e tem apenas 22 anos, também sai muito beneficiado por este tipo de exposição em um momento particular com o megainvestidor. E recorrendo a um vídeo.

Será que as pessoas acreditariam se ele contasse para elas o teor da conversa dentro do carro? Se ele tivesse a gravação do áudio, mas não tivesse ao menos uma foto, será que elas engoliriam a história de que ele esteve a sós no banco de trás de um carro com Warren Buffett? E se o vídeo fosse muito mais bem produzido, será que não ficariam desconfiadas de que havia algum tipo de produto que estavam tentando vender a elas?

O ponto principal aqui é que a internet permite a convergência de todas as mídias, com textos, fotos, áudios e vídeos, tudo na mesma plataforma. O meio pode ser jornal e revista, rádio, TV ou tudo isso junto. E sua estratégia de Marketing Jurídico de Conteúdo, como os esforços de Branded Content de outros setores, também deve estar muito consciente dessa peculiaridade. Para extrair os melhores resultados e maximizar seus investimentos, vale a pena ir além do texto e da foto, apostando nos áudios e nos vídeos.

Cuidado com as fotos que seleciona!

A verdade é que tudo que se baseia em um mínimo de planejamento nasce de um texto. Nem que seja uma ideia anotada em um guardanapo de papel, como talvez a de estar em um carro com Warren Buffett ou de fazer determinada pergunta, quando encontrá-lo. E sobre o primeiro fator a ser considerado no rascunho desse texto, nós falamos em um post anterior: contexto.

Textos são muito importantes e há muito mais a falar sobre eles. A maior parte do conteúdo publicado online, no entanto, é de textos. Mesmo advogados evitam seguir o conselho de Warren Buffett e optam por não se expor tanto. Se for muito necessário, gostam de escrever seus próprios textos para serem publicados em juridiquês e, de preferência, sem fotos suas.

Vamos falar com mais detalhes sobre a importância dos conteúdos de áudio e o avanço dos podcasts em um de nossos próximos posts - quem sabe explorando também o formato de áudio? Vamos dar mais atenção aqui às imagens.

Um dos detalhes cada vez mais fundamentas desse trabalho é a seleção de fotos para publicação. Até hoje é muito comum o uso indiscriminado de fotos pesquisadas na internet para ilustrar os textos elaborados. Mas qualquer advogado sabe que a internet não é o Oeste Selvagem, e as leis de direitos autorais também se aplicam a tudo o que ali está. E agora os produtores de conteúdo estão começando a vencer ações judiciais que vêm garantindo indenizações por uso indiscriminado de seus textos e fotos.

Nem como clipping pode ser veiculado conteúdo integral de terceiros, como mostram essas decisões, que acabam de ser ratificadas em segunda instância, em favor da Folha de S.Paulo.

A melhor opção é sempre produzir e publicar fotos próprias, do escritório e de seus porta-vozes. Mas ainda que os recursos não fossem finitos e cada sociedade de advogados pudesse manter um fotógrafo à disposição, isso não seria o mais recomendado, porque o que estamos buscando com esse tipo de iniciativa é autenticidade e, principalmente, credibilidade. Para alcançar esse objetivo, nada como adotar o hábito de fazer fotos, de qualquer detalhe que chame a sua atenção no dia a dia da profissão e inclusive uns dos outros, dentro de uma organização jurídica.

Ninguém deve se expor mal vestido, nem publicar uma foto absolutamente sem foco. Mas o excesso de produção, por outro lado, pode atrapalhar.

De acordo com o LinkedIn, vídeos geram 5x mais engajamento

E se você entrar num carro com o Warren Buffet, ou o equivalente do mundo jurídico, algum ministro do STF, o ministro da Justiça, o prefeito, o governador ou o presidente da república, peça autorização para fazer uma pergunta para um vídeo de 1 minuto e, se estiver tudo bem, segure firme a câmera para não tremer tanto e comece a filmar. Isso também pode ser feito ao acordar, para comentar as notícias do dia, ou do Fórum, ou enquanto aguarda uma reunião importante ou o embarque no avião para uma viagem de negócios.

Como lembra uma das 18 citações que selecionamos para este post:

"Nós precisamos parar de interromper o que as pessoas estão interessadas (com publicidade) e ser o que as pessoas estão interessadas." Especialmente quando falamos de um serviço e que seja prestado por um advogado, o produto é o próprio advogado. A exposição é inevitável.

*

A propósito, nós selecionamos 18 citações neste post para lembrar dos 18 anos que a Cellera completa em 2019. A agência que trabalha focada em Law Branded Content desde 2001, desenvolvendo soluções de Marketing Jurídico de Conteúdo em um cenário de disrupção tecnológica radical, iniciou suas operações, não por acaso, no dia 19 de maio. Esse é o Dia de Santo Ivo, padroeiro dos advogados, comemorado neste domingo.

Mas a relação de nossos fundadores, que são jornalistas com experiência em veículos como Folha de S.Paulo e Jornal do Brasil, com Santo Ivo e os advogados eles mesmos ainda vão contar em um vídeo.

#MARKETINGDECONTEÚDOJURÍDICO

  • LinkedIn - White Circle

© Desde 2001 - Cellera Comunicações Ltda